Console: Podcast

capa-podcast-ce1

Classic Edition #1: Eu gosto de uma coisa errada

Mesmo um gourmand curte junk food de vez em quando. Revelamos nossos gostos videogamísticos bizarros, que mantivemos em segredo por anos – mas que estão agora gravados, para todo o sempre, neste episódio-da-vergonha. Afinal, o que é mais importante, nossas experiências pessoais ou o cânone construído por décadas de história de video game? E será que podemos encontrar verdadeiras pérolas no meio de jogos esquecidos por todo mundo – menos pela gente? Confesse seus fetiches, agora!

capa-podcast-s04e144

#144: Telecatch Royale

Hoje em dia tudo tem que ser battle royale! Encerramos a temporada 2018 do Pouco Pixel julgando a batalha épica entre todos os games vencedores do Telecatch do podcast. E não é uma batalha épica qualquer – é uma batalha épica royale, em que os 35 participantes são eliminados, CUARAG por CUARAG, para no final apenas um sobreviver. Que jogo é o mais unanimemente equipado para vencer?

capa-podcast-s04e143

#143: O outro Ryu

Pioneiro das cutscenes, pioneiro da luta freeflow 3D. Por que nunca nos lembramos de “Ninja Gaiden”? Conversamos sobre a série que, partindo de um curioso início nos arcades, chegou ao Nintendinho como o que havia de mais avançado nos video games. Depois sumiu, para renascer uma década depois, no Xbox, deixando marcas profundas uma vez mais. O que tem na saga de Ryu Hayabusa que torna seus jogos tão especiais? Como as duas encarnações de “Ninja Gaiden” puderam influenciar tão fortemente os game designers posteriores?

capa-podcast-s04e142

#142: Here comes a new challenger!

O maior fenômeno da história dos video games surgiu de repente, do nada. Conversamos sobre “Street Fighter II”, o arcade que revolucionou um gênero ignorado – luta um contra um – e se transformou, da noite para o dia, no motor impulsionador de toda a indústria. Vendeu consoles, transformou hardware, virou filme, quadrinho e mochila de criança, teve dezenas de continuações, spin-offs e clones. Por que “Street Fighter II” era tão especial e fascinante? E por que o gênero de luta acabou cansando tão rápido?