Pouco Pixel Últimos episódios

capa-podcast-s01e16

#16: Seeeeega!

O underdog mais querido da história dos videogames: a Sega, a ousada e agitada rival da Nintendo, que sabia como ninguém inovar e, ao mesmo tempo, fazer caca. Comentamos a história da Sega, desde seu início militar até os melancólicos dias de hoje, passando – é claro! – pelas glórias de Mega Drive e Dreamcast. Qual foi o maior mascote da Sega, Sonic ou Michael Jackson? O Saturn foi mesmo um fracasso? Por quê, afinal, o Master System fez tanto sucesso aqui no Brasil? E principamente: alguém, na história, produziu mais jogos que a Sega?

capa-podcast-s01e15

#15: Crítica e autocrítica

No princípio era o jogo. Depois veio o verbo. Quase tão natural quanto pegar o joystick e jogar um videogame é falar sobre ele. Filosofamos sobre a crítica de games. Afinal, ela existe? É possível fazer jornalismo de verdade sobre videogames? Como escapar da mera propaganda ou, pior ainda, do fanboyismo estéril? Dá para extrair insights mais profundos de um assunto que cabe tão naturalmente no mundo do entretenimento?

capa-podcast-s01e14

#14: Ascensão e queda dos adventures

Pegue! Empurre! Use! Olhe! Nunca o imperativo foi tão útil quanto nos lendários jogos de adventure – sejam eles somente de texto, gráficos ou point-and-click. Relembramos os games que deram um sentido novo à prática do storytelling e nos perguntamos: adventures foram apenas uma moda passageira? Afinal, eles morreram mesmo? Por que devo colocar o hamster no microondas?

capa-podcast-s01e13

#13: Para a Nintendo, obrigado por tudo, Pouco Pixel

No domingo retrasado faleceu o CEO da Nintendo, Satoru Iwata. A notícia chocante levou a uma série de homenagens em todo o mundo, e o Pouco Pixel não poderia ficar de fora. Contamos a história da Nintendo, desde o fliperama que trouxe Donkey Kong, o gorila, e Mario, o encanador, até o incrível sucesso de seus videogames portáteis, passando por fiascos como o Game Cube e o Wii U. Por que a Big N é a grande responsável pelo renascimento da indústria de games pós-Atari? O que ela faz de tão especial? Onde ela falha?